Violoncelista e gambista, celebra 35 anos de trajetória em dois concertos dedicados à música barroca

 

Especializado em música barroca, o músico João Guilherme Figueiredo toca violoncelo barroco e viola da gamba e
para celebrar sua trajetória musical de 35 anos, João Guilherme Figueiredo realiza em São Paulo, no Teatro Cacilda Becker − nos dias 13 e 14 de Dezembro de 2017, às 18 horas − dois concertos gratuitos, promovidos pela Associação Mundo Solidário.

Nesses concertos, João Guilherme Figueiredo apresenta um programa de música barroca com instrumentos originais de época − a sua especialidade.

Figueiredo, que é no Brasil um dos raros músicos que toca tanto a viola da gamba como o violoncelo barroco, será o solista em duas das quatro peças do programa, e vai atuar também como diretor musical e regente da Orquestra Histórica do Brasil.

Formada por Figueiredo há alguns anos, a Orquestra Histórica do Brasil − grupo de cordas (violinos, violas, violoncelos e contrabaixo barrocos) acrescido de cravo, flauta doce e teorba − se dedica à música barroca dos séculos XVII e XVIII, buscando sempre a forma mais autêntica de execução, historicamente orientada. O grupo estará no palco com quinze músicos, todos eles tocando instrumentos originais ou réplicas de instrumentos de época.

Obras dos Séculos XVII e XVIII

O programa dos dois concertos tem obras compostas entre os anos 1690 e 1730.
De Vivaldi, um dos mais prolíficos compositores do período barroco, a Sinfonia (Abertura) da ópera L’Olimpiade, seguida pelo Concerto para violoncelo − este tendo João Guilherme Figueiredo como solista.
De Telemann, o Concerto para flauta doce e viola da gamba. Uma das peculiaridades dessa obra está na inspiração que o compositor foi buscar em temas da música folclórica polonesa, que conheceu quando esteve naquele país a serviço da corte do conde Erdmann II de Promnitz. Os solistas serão Figueiredo na viola da gamba e Vinicius Chiaroni na flauta doce.
A peça final é uma bem conhecida obra de Corelli, especialmente oportuna para este período de festas: o Concerto “Fatto per la Notte di Natale”.

Para comprar online acesse http://rede.natura.net/espaco/annacarla

Publicidade

 

Foco na música barroca

João Guilherme Figueiredo tinha treze anos quando começou a estudar música. Hoje, 35 anos depois, olha para trás e percebe que tem uma rica vivência musical e muita história pra contar.

O músico paraense desde cedo se deixou fascinar pela música e pelos instrumentos antigos, especialmente dos séculos XVII e XVIII. Em busca de seu sonho, em 1990 foi estudar no Conservatório Real de Haia, na Holanda. Foi o primeiro violoncelista brasileiro a estudar na veneranda instituição, fundada em 1826 e para onde afluem músicos de todas as partes do mundo que querem se especializar em música barroca.

Em Haia, foi aluno de Jaap ter Lindem, um dos mais importantes violoncelistas e gambistas no cenário da música antiga internacional. João Guilherme ficou cinco anos na Holanda, desenvolvendo estudos de seus instrumentos e também de regência, e tocando música antiga em diversas orquestras e grupos.

De volta ao Brasil, continuou sempre focado na música barroca. Tem tocado em palcos de todo o País, ministra aulas e masterclasses e participa de praticamente todos os festivais brasileiros de música antiga, com destaque para o tradicional Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga, que há 28 anos se realiza em Juiz de Fora. Aliás, já em 1988 participou da fundação do grupo Solistas de Câmara do Centro Cultural do Pró-Música de Juiz de Fora, juntamente com Luís Otávio Santos e Pedro Couri Neto. E, desde 2000, participa das gravações dos CDs e DVDs da Orquestra Barroca do Festival.

Por conta de sua especialização, João Guilherme Figueiredo integra o Núcleo de Música Antiga da EMESP-Escola de Música do Estado de São Paulo e é, há quase dez anos, professor de violoncelo barroco e viola da gamba do Conservatório de Tatuí. Lá, criou dois grupos pedagógicos, o Ensemble de Performance Histórica e a Orquestra Barroca do Conservatório, e participou de dois dos Encontros Internacionais de Performance Histórica do Conservatório de Tatuí.

Nos últimos dez anos vem realizando também pesquisas com a dança barroca, com as professoras Raquel Aranha e Clara Couto, e estudos de música árabe na Fundação Tarab de Música Oriental, sob orientação o professor Mário Afonso III.

Serviço

JOÃO GUILHERME FIGUEIREDO
35 anos de trajetória

João Guilherme Figueiredo
violoncelo barroco, viola da gamba

Orquestra Histórica do Brasil
Flauta doce e violino barroco: Vinicius Chiaroni
Violino barroco: Juliano Buosi, Marcus Held, Letizia Taboada Roa,
Fábio Chama, Lucas Biscaro, Carlos Martins, Raquel Aranha, Felipe Natanael
Viola barroca: Jonas Goes, Stetson Madolozo
Violoncelo barroco: Gustavo C. Carloni
Contrabaixo barroco: Jaqueline Macías
Cravo: Vitor Barbeiro
Guitarra barroca e teorba: Ivan Oliveira
Direção artística e regência: João Guilherme Figueiredo

Programa

Antonio Vivaldi (1678-1741)
Sinfonia (Abertura) da ópera L’Olimpiade, RV 725, para orquestra de cordas e contínuo
Allegro. Andante. Allegro Molto
Concerto em lá menor, RV 418, para violoncelo, cordas e contínuo
Allegro
Largo
Allegro
Solista
João Guilherme Figueiredo, violoncelo barroco

Georg Philipp Telemann (1681-1767)
Concerto em lá menor para flauta doce, viola da gamba, cordas e contínuo
Grave
Allegro
Afettuoso
Allegro
Solistas
Vinicius Chiaroni, flauta doce
João Guilherme Figueiredo, viola da gamba

Arcangelo Corelli (1653-1713)
Concerto grosso em sol menor “Fatto per la Notte di Natale”, Op. 6 Nº 8
Grave. Allegro
Allegro
Adagio. Allegro. Adagio
Vivace
Allegro
Largo. Pastorale ad libitum
Solistas
Juliano Buosi, violino concertato I
Marcus Held, violino concertato II
Gustavo Carloni, violoncelo concertato

Quarta-feira, 13 de Dezembro, 18 horas
Quinta-feira, 14 de Dezembro, 18 horas

TEATRO CACILDA BECKER
Rua Tito 295, Lapa, tel. 3864-4513

INGRESSOS
ENTRADA FRANCA

Os ingressos devem ser retirados na bilheteria do teatro
a partir de uma hora antes do espetáculo

Nº de lugares: 198

Duração: 60 minutos

Indicação etária: Livre

Realização:

Associação Mundo Solidário
Organização sem fins lucrativos criada em 2010 que tem como principal objetivo desenvolver e atuar diretamente em projetos sociais, culturais e comunitários.

Patrocínio:

Prefeitura de São Paulo, Secretaria Municipal de Cultura

Com informações de Matias José Ribeiro


Anna Carla

Santista ”da gema”. Uma mulher dos anos 50 nascida em 73. Mãe da Sofia desde 2004 e do Joaquim desde 2010. Advogada formada pela Universidade Católica de Santos desde 2001. Costumo dizer que me interessam coisas legais em sentido amplo e estrito. Amo gatos, plantas e vida simples. Escrevo por prazer. Veja o perfil completo.

Comente

error: Copyright © 2006 - 2018 por Anna Carla Lourenço do Amaral - Todos os direitos reservados.