vida simples

Sexta-feira 13 e tem um gato preto na sua timeline

Senhoras e senhores esse é o Obama, o gato preto mais batuta do pedaço

Desde sempre a gente ouve falar que gato preto dá azar, que gato preto traz mau agouro,”deuzulive” de dar de cara com um gato preto, ainda mais na sexta-feira 13!

Bom, pode deixar essas crenças limitantes de lado, aliás deixar de lado é muito pouco, abandone mesmo é muito melhor para você para todo mundo mas, crença limitante é um assunto para outro texto.

Sexta-feira 13 e preconceito

Para  nós gateiros, que amam os bichinhos independente de raça ou cor da pelagem, estes dias nos deixam bastante apreensivos. Porque em sexta-feira 13 tem gente malvada que aproveita para agredir os bichinhos, cortar rabo, orelha, até mesmo matar.

Aqui na minha rua tem vários gatos de rua, muitos deles pretos, alguns sobreviventes desse tipo de atrocidade, com rabo cortado, quebrado, orelha partida… Mas graças a um vizinho gateiro que coloca diariamente ração na sua varanda  próximo ao telhado, tipo uma marquise que também serve de abrigo em dias chuvosos, eles estão saudáveis e vivendo bem.

A verdade triste é que gato preto ninguém quer, é um serzinho que já nasce marginalizado.

Olha só os comentários nesse post da Cat Club, inúmeras histórias de resgate pós abandono de gatos pretos.

A ninhada e a choradeira

Em junho deste ano uma gata  escura de três cores e olhos verdes deu cria no telhado do meu vizinho. Nasceram três gatinhos: um siamês, uma de três cores igual a mãe mas com fundo mais amarelado e um preto.

Acontece que meu vizinho tem uma cachorra, uma retriever filhote, grandona e quando ela viu a ninhada ficou maluca, latiu como louca! Como boa mãe a gata colocou seus filhotes na boca e correu pelo telhado para a frente da casa em busca de proteção. Na correria o menorzinho, o preto caiu da boca da mãe que estava no telhado e foi parar no jardim do meu vizinho.

O pobrezinho chorou um dia inteiro, eu só conseguia ouvir mas não dava para ver… E aquele chorinho de fome e medo de recém nascido foi me dando uma agonia tão grande que espalhei  sachê pelo muro do meu vizinho e avisei: “tem um filhote perdido da mãe no seu jardim, por favor não solte sua cachorra” e saí pois eu tinha um compromisso e só voltaria mais tarde.

A acolhida

Quando cheguei do meu compromisso mais tarde naquela noite, meu vizinho me ligou dizendo que tinha resgatado o gatinho mas como ele tem a cachorra ele não podia mais abrigar, meu marido, minha filha e minha sobrinha foram buscar.

Meu vizinho falou “acho que ele é cego de um olho“, o pobrezinho estava com conjuntivite felina  causada pelo pólen de flores pois caiu em um jardim.

Dei leitinho na seringa (receita aqui), cuidei da conjuntivite, mantive aquecido, ensinei a usar a caixa de areia, depois tratei das pulgas (que eram muitas) . Usei uma pipeta chamada Revolution que acaba também com possíveis vermes, muito boa!

Ele foi ficando esperto e muito amoroso, inclusive com a Madame a quem ele fez companhia no final.

Para comprar online acesse http://rede.natura.net/espaco/annacarla
Publicidade

Quem me acompanha lá no Instagram viu que já fiz várias postagens do Obaminha e me surpreendeu bastante o tanto de gente “elogiando” minha atitude de adotar um gato preto. Gente, mas é um gato, lindo e fofinho como qualquer outro, porque esse estigma?

Ele é tão faceiro que o corte na pata traseira  que ele fez ao cair do telhado no jardim do vizinho não interfere em nada nas suas peraltices!

Adotar é tudo de bom!

Com tempo a mãe saiu do telhado deixando apenas a filhote fêmea para trás (o siamês lindo deve ter sido adotado rapidinho porque não vi mais). Ela foi ficando magrinha, desnutrida e a mãe voltava ao telhado, acho que por dó, uma vez por dia para amamentar. Minha filha estava de coração partido  e com ajuda de uma vizinha e da minha sobrinha e seu namorado conseguimos resgatá-la também.

 

Princesa Lavínea de Orleãs e Bragança veio muito arisca, demorou dias para se enturmar mas o Obama ficou numa felicidade tão grande que nem cabia em si!

Agora ambos vivem conosco, castrados e fazem companhia para a Bambina que, pela idade (17 anos!) e rabugice não entra muito na dinâmica deles mas com a perda da irmã está aos poucos se enturmando.

Gatinhos são seres especiais independente de cor da pelagem e só tenho a agradecer a Deus por ter colocado o Obama no nosso caminho, para trazer alegria para a nossa família!

Xô preconceito!

Anna Carla
Mãe, advogada e blogueira. Amo gatos, plantas e vida simples. Escrevo por prazer.

Comente