comportamento

O Problema que eu Preciso

Um dos grandes desafios dos dias atuais é lidar com problemas.

Se repararmos à nossa volta, todos possuem alguma queixa, algum descontentamento e algo que precisa (sim, esta é a palavra) ser resolvido.

Quantas vezes nos pegamos reclamando de algo e ao mesmo tempo fazendo nada para resolver?

Fugir é a resposta mais comum de todo ser vivo. Somos biologicamente programados para evitar e fugir de situações que nos ameacem. Nos animais é uma resposta natural para a preservação da própria vida e nos humanos, de certa forma também.

Fugir é resposta biológica, mas cá entre nós, não somos répteis.

O primeiro passo para lidar com o que nos incomoda é perceber e aceitar que existe algo que não está como gostaríamos e buscar nos nossos comportamentos indícios de como estamos lidando com aquilo, ou mesmo de como estamos contribuindo para que aquilo aconteça.

Pode ser novidade ler isso, mas é possível que você seja o responsável por tudo o que reclama no outro. Jung nos trouxe o conceito de sombra e explica que projetamos no outro tudo o que reprimimos para sermos a “pessoa ideal”. Isso significa que tudo que nos esforçamos para esconder em nossa personalidade, vemos claramente no outro e assim podemos fazer chover defeitos em alguém, mas que na verdade, aquilo é um reflexo de nós mesmos.

 

fonte: huffpost.com
fonte: huffpost.com

 

Começa com um desconforto e que pode facilmente ser ignorado, mas quando percebemos, como uma gigantesca bola de neve, já está tomando grande parte da vida e destruindo tudo o que toca. Pareceu um piscar de olhos. Mas não foi.

Deixar o problema para mais tarde, ignorar ou fugir apenas aumenta o problema. Dizem que o tempo é remédio, mas ele também é alimento para o que não foi resolvido.

Nessa tentativa de esconder do mundo ou de si o que não está bom em nossas vidas ou dentro de nós, acabamos descaracterizando nossos comportamentos e nos afastando de nossa essência, de quem realmente somos.

12227606_197993217200009_2297936901163594869_nAos poucos vamos criando uma cerca aqui, uma barreira ali e vamos nos desviando do que não queremos. Evitamos o medo com agressividade, evitamos a dor afastando outras pessoas e criamos diversos comportamentos opostos ao que queremos afastar. E nenhum desses é realmente quem queremos ser.

Criamos tantos muros para manter o indesejado longe que acabamos nos cercando por completo e nos isolamos do mundo. Neste momento, o pedido de ajuda já fica difícil de ser ouvido, pois o muro de concreto é grande demais para ser atravessado.

No fim das contas, a grande verdade é que nada disso adianta.

Fugir não resolve, se esconder não protege, ser frio não te torna uma pessoa sem sentimentos, ser grosso não te torna culto, ser arrogante não te fará ser legal, ter muitos amigos não te trará popularidade, zombar de outras pessoas não te faz melhor que elas, desacreditar do amor não fará que você não ame novamente.

Lidar com problemas não é uma ciência exata, mas uma coisa é certa, se esconder com máscaras e tentar ser quem não somos só deixa a tarefa mais difícil.

Existem infinitas maneiras de lidar com algo e ainda que ninguém tenha a receita, o Capitão Jack Sparrow deu uma valiosa dica: “O problema não é o problema. O problema é a sua atitude diante do problema”. Afinal de contas, não existe problema grande demais, nós é que ainda não encontramos a melhor forma de lidar com ele… Ainda.

Então, talvez seja a hora de encarar de peito aberto, perceber o que o problema quer, de onde vem, quais as possibilidades de lidar com ele e ir à luta.

Vai lá, mostra pro problema que o perigoso é você e se alguém precisa fugir, esse alguém é ele.

Thales Paiva
é psicólogo, coach e palestrante. Desenvolve trabalhos voltados para a descoberta da missão e propósito de vida das pessoas. Seus textos são sobre comportamento, conquista de objetivos e propósito de vida.

1 thought on “O Problema que eu Preciso

Comente