cotidiano

Nós não vamos abaixar o som

Diálogos na Disqueria

Eu devia ter uns 12 anos mais ou menos quando, levada pelo meu irmão mais velho (in memorian) , visitei a Disqueria pela primeira vez.

Era uma portinha na Rua Goiás, cheia de som e fúria. Lá tive as primeiras lições sobre música boa.

Meus dedos corriam pelos discos enquanto meu irmão trocava altas idéias sobre música, cultura e política com o então jovem Wagner Parra. Hoje eles devem estar matando as saudades dos longos papos.

Hoje o céu fica mais animado.

 Músico morre após passar mal durante apresentação em Santos

É. Pra morrer basta estar vivo. E isso era uma coisa que ele fazia como ninguém, celebrou sua vida com música até o fim.

Perdemos nós, perdemos sua tagarelice generosa que tanto lutou para que a cultura da cidade não morresse e que estava indignado com a “concha muda”.

Parra era um entusiasta e agitador, que a cultura de Santos vai sentir muita falta.

Força a família e especialmente aos meus amigos que tinham no Wagner um apoio e um amigo fiel para todas as horas.

Fique na paz, com a certeza de que nós aqui não vamos abaixar o som.

Anna Carla

Mãe, advogada e blogueira. Amo gatos, plantas e vida simples. Escrevo por prazer.

Comente