Na noite da última quarta-feira (17) o público conheceu sete produções selecionadas para
as Mostras Olhar Caiçara e Olhar Brasilis.

A sala do Cine Roxy (Av. Ana Costa, 44, Gonzaga) ficou lotada de realizadores, jurados e apaixonados pelo audiovisual.

Nesta 12ª edição do Curta Santos – Festival de Cinema de Santos, foram escolhidos 10 filmes para cada mostra competitiva, exibidos sempre às 21 horas no cinema e reexibidos no dia seguinte, às 16 horas, no Museu da Imagem e do Som de Santos (Av. Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias).

Mostra competitiva tem salas lotadas - foto divulgação

Mostra competitiva tem salas lotadas – foto divulgação

A sessão foi iniciada com o minidocumentário “Bijari”, produzido pela cineasta Tata Amaral, laureada com o Troféu Maurice Legeard na abertura do festival. A obra é um dos 13 filmes do Projeto RUA!, uma iniciativa que divulga as intervenções artísticas urbanas e, portanto, dialoga com o tema deste ano do Curta Santos: Artecidade.

Na Mostra Olhar Brasilis foram exibidos os curtas-metragens: “A Navalha do Avô”,
“Tormenta”, “Jessy” e “Entulho”. A co-diretora do “Tormenta”, Fernanda Salgado, é de Belo Horizonte e veio prestigiar o evento.

Ela conta que a produção aborda a história de um velho preso em um apartamento, esperando uma chuva passar por 30 anos e esperando um encontro que, finalmente, acontece. “A equipe contou com recursos da Lei Rouanet, através do Programa Femininas, e foram dois anos de trabalho para aprovação do edital e a produção foram dois anos”.

Os curtas-metragens “Tiros”, “Sonar” e “Body Count Tá Na Área” estiveram na telona
pela mostra regional. E para fechar a programação do dia, ocorreu um debate com os
realizadores das sete produções.

Os jurados André Klotzel, Lilian Solá Santiago e Fernando Timba estavam presentes para assistir esses trabalhos na tela do cinema.
Assim como a estudante de Jornalismo da Universidade Católica de Santos, Marcela
Rodrigues Ferreira.

Para ela, o Curta Santos é muito importante, principalmente, por ser de fácil acesso à população. “O cinema em si é fundamental para a formação cultural, quanto mais bagagem melhor e o tema ArteCidade é bacana porque é algo que está presente na vidade todo mundo”, explica.

O estudante Lucas Marcos de Souza também participou dessa segunda noite de festival. Ele acredita que o curta-metragem é uma forma de transmitir uma mensagem para quem vive aqui e também é de fora.

No período da tarde, o curta “O Segredo”, produzido pelos alunos do Ensino
Fundamental da Escola Edméa Ladevig durante o Curta Escola, iniciativa do Curta Santos,
trouxe muitos estudantes para a sala de cinema do Roxy. Para o diretor geral do festival,
Ricardo Vasconcellos, a programação é bastante extensa e o festival só está começando. “Essa é uma oportunidade única das pessoas conhecerem esses trabalhos. O melhor do cinema brasileiro está no nosso festival”.

Fique por dentro da programação desta sexta-feira.

10626560_763741553689072_6729184475480275026_n

Leia também:

Uma semana cheia de cultura em Santos

Curta esquenta, saiba como foi a prévia do Curta Santos

 


Anna Carla

Santista ”da gema”. Uma mulher dos anos 50 nascida em 73. Mãe da Sofia desde 2004 e do Joaquim desde 2010. Advogada formada pela Universidade Católica de Santos desde 2001. Costumo dizer que me interessam coisas legais em sentido amplo e estrito. Amo gatos, plantas e vida simples. Escrevo por prazer. Veja o perfil completo.

Comente

pt_BRPortuguese (Brazil)
pt_BRPortuguese (Brazil)
%d blogueiros gostam disto: