televisão

Preciosismos à parte, Boogie Oogie veio bem

Há quem diga que os figurinos de Marie Salles parecem escolhidos em Brechó, sem nenhum critério de época,  e que o cenário está futurista mas, Boogie Oogie veio com um elenco de peso e com um texto bem afiado.

Figurino da novela Boogie Oogie - Foto: Divulgação Globo
Foto: Divulgação Globo

Apostando nos clichês de novelão o moçambicano Rui Vilhena acerta ao colocar a Giulia Gam como vilã e dá a ela um texto excelente, gostei muito das cenas entre ela e a veterana Beth Faria. Aliás o elenco todo parece bem acertado.

Sabe aquela expressão “mas isso só em novela”? Então, pela amostra do primeiro capítulo, vamos dizer muito essa frase. Esse é o tipo de folhetim que a gente torce, torce pro mocinho, torce pra vilã, é uma novela em que se lida o tempo inteiro com o impossível.

Rui Vilhena mostra um estilo de dramaturgia antigo, do qual a gente sente saudade, se não fosse assim o Canal Viva não renderia tanta audiência não é mesmo?

A trilha sonora é um caso, de amor, à parte! Achei acertadíssima a escolha do hit “Heart of Glass” de Blondie para o personagem de Alessandra Negrini.

Muito embora só tenha virado hit no Brasil nos anos 80, essa canção integra o disco “Parallel Lines” de 1978 e sendo a personagem uma moradora de Manhattan e funcionária do Club 54 achei a conexão perfeita! Inclusive o figurino dela, mais moderno que das demais personagens, flertando com os ano 80, reflete a personalidade cosmopolita da personagem.

Quanto às comparações com a novela Dancin’ Days acredito que param por aqui, na abertura semelhante e na coincidência do nome da novela e do nome da boate serem iguais.

Segundo o diretor Ricardo Waddington por ser uma novela da faixa das 18 horas não haverá consumo de cigarro e álcool, como era bastante comum nas novelas dessa época, para ele não há necessidade desses recursos para contar essa história.

Eu gostei bastante da “nova das seis” e pretendo acompanhar.

Anna Carla

Mãe, advogada e blogueira. Amo gatos, plantas e vida simples. Escrevo por prazer.

Comente