vida simples

Como o preconceito é aprendido?

Ou melhor, em que momento da vida nos é ensinado o preconceito?

Já abordei em outra oportunidade este assunto, e continuo defendendo essa teoria de que  ninguém nasce racista, anti-semita ou homofóbico. Estes são conceitos aprendidos e na maioria das vezes, dentro de casa.

Na infância fazemos amigos com muita facilidade, um  olhar e um sorriso são suficientes para travar uma relação que muitas vezes pode durar por toda vida.

Quando crianças não fazemos julgamentos pelas aparências ou pelas circunstâncias, nos aproximamos do outro apenas com curiosidade.

comoeaprendidoopreconceito

Na medida em que vamos crescendo e criando uma certa independência pode ocorrer alguma interferência da família nestes laços, como por exemplo um pai que vê um amigo do filho em um ambiente “barra pesada” com acesso a bebidas alcoólicas e alerta ” Fulano  pode não ser uma boa companhia pra você” .

Mas ainda acredito que o maior poder de influência está no exemplo.

Uma criança que ouve dos pais que  “ser gay não é uma coisa boa” ou “ser gay gera muito sofrimento ” pode ter recebido uma sementinha da homofobia.

E aí alerto para outras possíveis sementes, os preconceitos velados, escondidos nos elogios e nas frases de efeito. Exemplos: “Beltrano é gay mas é legal”, “Cicrana é negra mas é tão bonita” ou ainda o clássico “ele é gay mas é meu amigo”.

Gente, isso é sério. Pra gente que cria gente é importante não disseminar esses conceitos. As crianças nascem puras e livres de conceitos e preconceitos, cabe a nós mantê-las assim.

Uma família que vê o outro como igual independente da cor da pele, da religião ou da sua orientação sexual tende a criar filhos livres de preconceito.

O vídeo abaixo está inglês mas não é necessário ter domínio fluente da língua para compreender a reação das crianças.

Para a maioria esmagadora delas ser gay não interfere na qualidade daquelas pessoas. Para estas crianças os gays devem ter direitos iguais a todas as outras pessoas. Para elas o momento da proposta de casamento homoafetivo foi visto com alegria e contentamento e notado como um ato legítimo de amor.

As poucas  crianças que reagiram negativamente não souberam nem precisar porquê tiveram aquela reação.

O preconceito é uma lição que se aprende, e que eu não quero ensinar.

Fica a reflexão para pais, familiares e professores.

Anna Carla

Mãe, advogada e blogueira. Amo gatos, plantas e vida simples. Escrevo por prazer.

4 thoughts on “Como o preconceito é aprendido?

  1. Dizem que a vida é para quem sabe viver, mas ninguém nasce pronto. A vida é para quem é corajoso o suficiente para se arriscar e humilde o bastante para aprender.

    Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar, porque desocri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.

    uma pergunta? posso divulgar seu artigo nas minhas redes social para as pessoas curtirem o seu artigo? pois é muito e instrutivo e de boa informação.

Comente