cotidiano

Carta aberta a minha “filha” mais velha

Dezenove anos passados.

Parece que faz muito tempo mas ainda me sinto uma aprendiz nessa coisa de amar como mãe.

Você não esteve no meu ventre mas sinto como se fosse minha.

Me encho de orgulho quando a vejo autônoma, dando passos largos rumo a vida adulta. E também fico puta quando vejo que às vezes ignora todos os nossos avisos e recomendações e caminha para a merda eminente. Choro quando você bate a cabeça na parede da vida.

É assim, se um dia você tiver alguém de seu, você vai me entender.

Quero que aprenda mas quero também abreviar sofrimento. Eu sei que às vezes a gente só aprende sofrendo mas não custa querer…

Hoje quero agradecer, por me ajudar a ser  a mãe que sou para os meus filhos, afinal foi com você que eu tive o primeiro contato com esse tal de amor incondicional.

Vou pedir para Deus te abençoar hoje mais do que nos outros dias. Desejo saúde perfeita, caminhos abertos para o bem,  realizações positivas, sucesso e prosperidade na vida profissional, amor, muito amor, amor pela vida, amor de família, amor de amigo, amor em tudo o que faz e amor verdadeiro, que te ame igual de volta e que seja para vida inteira.

Feliz aniversário filha.

Que seu dia seja lindo, cresça, seja responsável, mas se permita ser criança também aliás, para mim você sempre será.

Com amor,

sua madrinha.

Anna Carla

Mãe, advogada e blogueira. Amo gatos, plantas e vida simples. Escrevo por prazer.

Comente