cotidiano, vida simples

Ensaio sobre o esquecimento.

como-evitar-esquecimentoÉ muito difícil ser esquecida.
Descobrir-se esquecida é como perceber-se numa estante acumulando poeira, tal qual um objeto antigo e sem serventia.
O esquecimento magoa na medida em que o outro confunde você com outra coisa ou pessoa, quando o outro te despersonaliza, quando o outro te coloca em um balaio que não é seu, quando julga a atitude de outrem como sendo sua. Você está lá para o outro mas este não é você, é outra coisa.
Imagino que um dos maiores desencadeadores de depressão seja o esquecimento. Dizem que as mulheres tem mais depressão do que os homens, deve ser porque nós podemos ser mais facilmente esquecidas. Como pode? Esquecermos das mães e filhas, esposas, donas-de-casa, amigas, estudantes, namoradas, trabalhadoras, donas do mundo???
Pode! Infelizmente e exatamente em razão dos rótulos elencados acima. Às vezes acontece de a mulher ser soterrada por tantas funções que desempenha que algumas pessoas podem nos esquecer a essência.
Tenhamos sempre em mente que dentro de cada mãe, esposa, dona-de-casa, estudante, trabalhadora existe uma mulher com personalidade autônoma e sentimentos diversos. Não é porque é casada que pensa como o marido, não é porque tem filhos que só pensa neles, não é porque é filha que deixa de ser mãe, não é porque é esposa que deixa de ser mulher, amiga e por aí vai…
É importante também que não nos esqueçamos de quem somos, e isto é um trabalho árduo, diário. Devemos fazer uma separação interna, um espaço reservado, uma área de conforto onde possamos nos exercer sem permitir a invasão de um ou outro rótulo.
Se não corremos o risco de sermos muitas e não sermos de fato nenhuma. Porque quando um amigo nos esquece magoa, dói, é dificil mas quando nós nos esquecemos de quem somos por dentro é pior, muito pior.
É morrer antes do tempo, é morrer por dentro.

Anna Carla
Mãe, advogada e blogueira. Amo gatos, plantas e vida simples. Escrevo por prazer.

Comente