cotidiano, vida simples

Minha vida sem salto

image

Quando se tem um problema como este somos obrigados a fazer muitas concessões, que são na maioria das vezes muito chatas. Para uma mulher vaidosa como eu acredito que uma das mais chatas seja me ver obrigada a descer do salto.

Eu, uma baixinha moderna, que adorava crescer dez centímetros em  cima das minhas plataformas da Arezzo hoje me vejo obrigada a me contentar com sapatilhas tipo Usaflex. Em termos de conforto não há que se falar da marca mas nem todos os modelos agradam uma jovem senhora como eu.

Me lembro quando trabalhei no comércio, especificamente no ramo dos calçados, não havia preocupação em elaborar calçados para o tipo de consumidora que me tornei. O pensamento era de quem precisa de calçados da linha extremo conforto são as senhoras de muita idade, que tem joanetes, calos e andam de bengalinha. Mulheres enquadradas nesta categoria não estão preocupadas com moda atual, elas apenas desejam um calçado que seja tão confortável quanto seu chinelo de quarto para sair de casa eventualmente em suas visitas ao médico.Pois é, este é mais um entre outros tantos preconceitos que o paciente reumático jovem tem que enfrentar. Eu ainda estou na casa dos trinta anos e o que o mercado me oferece são calçados “de vovó”.

Me lembro com clareza do dia em que meu reumatologista me disse: “- Em virtude da lesão no seu pé direito a senhora não deve usar saltos, nem bico fino, nem plataformas, o risco da senhora virar o pé e ganhar uma lesão no tornozelo triplica com um destes no pé. Dê preferências a saltos baixos, com solado flexível e frente mais larga. Evite tamancos e calçados soltos no pé.”

Ao chegar em casa me deu uma tristeza grande quando observei que eu possuía uma duzia de pares lindos de morrer que não poderia mais calçar…Fui me consolando na medida em que constatei que muitos deles eu já não conseguia calçar a tempos e que eu vinha passando a maior parte do tempo de tênis ou Melissas.

Com o tempo fui me habituando a combinar minhas roupas de salto alto com modelos mais baixos, pode parecer estranho mas dá pra acostumar. Pra ter ideia fui até madrinha de casamento usando uma sandália com salto bem baixinho, o segredo para manter a elegância aí foi escolher um vestido bem longo, escondendo os pés, diz que alonga a silhueta.

Atualmente procuro bastante antes de comprar, deixei da namorar as vitrines. O que funciona é entrar na loja e pegar o calçado na mão, sentir se é macio, se tem costuras aparentes no lado de dentro e no caso de ter algum salto se este é estável. O da foto aí em cima é minha última aquisição. Nem sabia mas diz que tá super na moda, é o tal do slipper. Comprei pelo conforto e ganhei a moda de brinde, não é surpreendente?

Anna Carla

Mãe, advogada e blogueira. Amo gatos, plantas e vida simples. Escrevo por prazer.

6 thoughts on “Minha vida sem salto

  1. Aninha, hj até a Stiletto tem uma linha confort. São alegres, coloridos e confortáveis mesmo. Eu tenho um e pretendo ter mais. Dá pra ser elegante sim e sem salto… Tenho certeza que vc vai continuar finérrima, chiquérrima apesar do pé no chão. Muita, mas muita saúde procê e pros seus. E aparece, né!!! Beijão…

    1. Claudia você é mesmo uma querida!
      Eu vi outro dia que eles estão com uma linha confort, qualquer hora passo por lá para provar e de quebra passo na tua loja pra gente bater aquele papo descontraído de sempre!
      Um abração!

  2. Amiga eu achei ele bem fofo, qd se trata de qualquer parte do nosso corpo ficar mal todo o resto padece…tb queria ser alta, tb queria que os sapatos usaflex fossem mais modernos, quem sabe, esperamos uma mudança então… bj

    1. Oi Val, imagino que essa mudança dos sapatos confortáveis deve acontecer gradualmente. Afinal estou inserida numa fatia do mercado como consumidora e imagino que os fabricantes tenham interesse em faturar mais.
      Beijos pra você também e agradeço sua visita 😉

  3. É, eu bem reparei vc de slipper no sábado!
    Se a gente parar pra observar, ninguém deveria usar certos sapatos, né? Minha mãe sempre pega no meu pé com isso, mas eu finjo q nem escuto :/
    Tá na hora da Usaflex se modernizar!
    Bjos!

Comente