cinema, entretenimento

Escapismo, de Gilberto Braga a Woody Allen.

midnight-in-parisFui assistir ao novo filme de Woody Allen “Meia noite e m Paris” e o que acontece na tela diante de nossos  curiosos olhos é o que acontece muito no cotidiano da gente. Alguém talentoso escapando para outra época porque não percebe que o momento atual não nutre sua satisfação, felicidade.

Sobre o filme: gosto do jeito americano e caipira de Owen Wilson aliás a escolha dele para o filme foi uma das coisas que me intrigaram a assistí-lo. A fotografia, o figurino e a produção de arte de época são muitísimo bem cuidados, bonito mesmo de se ver! Aqui a jornalista Márcia Mesquita fala mais sobre o lindo figurino!

Como sempre, por conta da minha rotina maluca de “mulher maravilha” eu vi o filme e escrevo sobre ele atrasada logo, qualquer outra consideração que eu faça a este respeito aqui estarei chovendo no molhado porque com certeza “meus três leitores” já viram o filme muito antes de mim e já leram as criticas enfim…

O fato é que o filme me levou para reflexão. Por que volta e meia estamos escapando da vida?
Eu sinto saudade dos que se foram, da época que eu não tinha com o que me preocupar, da adolescência que foi tão, tão doce na companhia dos meus queridos. Assistir “Vale Tudo” me levava pra lá, gostava de assitir tarde da noite, na hora em que não sou mãe de ninguém, que sou só eu, bom demais matar a saudade!

Acho que até Gilberto Braga sente saudade dessa época porque vira e mexe seu “Insensato coração” fica com cara de “Vale Tudo”… Aliás a nostalgia tem tomado conta da televisão com tantos remakes sendo colocados em prática, será que o povo gosta de escapar? Seria o escapismo um campeão de audiência???

Já notaram também como os recursos fotográficos  para envelhecimento de imagens, filtros de época estão em uso no momento? É o escapismo digital. Todo mundo quer registrar a vida com o celular, compartilhar na rede social em tempo real sua visão antiga do hoje, é o agora com cara de ontem.

E eu me pergunto, será que o presente está tão ruim ou ele está passando tão despercebido que só nos daremos conta de como ele  era bom quando este presente já for passado???

No caminho para casa depois do cinema eu e meu amado conversamos sobre o que nos mantém no momento presente. Na nossa “pesquisa Ibope”  ganhou disparado o sorriso dos nossos filhos. Isso nos deixa alerta, nos faz sentir vivos, nos faz ansiar pelo agora, pelo prazer de estarmos juntos, de sermos uma família.
Nossas crianças são o agora, eles só terão essa idade neste exato momento, no hoje e isto nos traz, pais,  para o presente.

Palavras de Osho:

“Para a mente , o presente é não-existencial. A mente vai se movendo para o passado e para o futuro. O presente parece ser somente uma passagem do passado para o futuro.”

Parece, mas não é! Basta que estejamos alertas, atentos e espertos. #ficaadica

Beijoabraçoapertodemão!

Anna Carla

Mãe, advogada e blogueira. Amo gatos, plantas e vida simples. Escrevo por prazer.

Comente