cotidiano

20 anos, hoje.

“A dor não existe para fazê-lo infeliz: ela está aí para torná-lo mais consciente!” (Osho)

Hoje fui acordada por uma dor física, sem muita explicação e sem propósito, afinal a patologia que um dia me acometeu está em remissão.

Depois que comecei a fazer terapia aprendi a refletir sobre a dor, acolhê-la, lidar com ela efetivamente mas, como já fazia algum tempo que ela não me ocorria fiquei meio sem chão. Chorei, chorei, chorei, era o que me restava fazer, afinal não posso me medicar como o de costume já que não estou sozinha, carrego o Joaquim no meu ventre,  um bebê saudável e sem culpa.

Enquanto chorava, fui me sentindo menor, menor, menor. De repente me senti com 16 anos novamente. De repente eu não era mais mãe, eu era filha de novo, uma filha triste, carente e sem rumo. Foi então que me caiu a ficha: hoje, faz 20 anos que meu paizinho se foi. Acho que meu corpo resolveu me lembrar que meu coração ainda sente a falta dele.

Osho tem razão.

Anna Carla
Mãe, advogada e blogueira. Amo gatos, plantas e vida simples. Escrevo por prazer.

Comente