cotidiano

O despertar

“Folhas jazendo pelo chão são resposta à ventania da noite anterior. 
Os raios de sol beijam delicadamente as moradoras verdes do alpendre.
Elas foram nutridas pela chuva e agora se deliciam sob seu calor.
Ainda venta, é o frio da montanha também verde que dança
sua coreografia da mata atlântica sincronizando árvores, arbustos e  ipês.
Céu azul, salpicado de nuvens branquinhas de algodão, branco de roupão. E o café, quente como o sol.
Pouca gente, pouco carro, cachorro vizinho  late, gato aqui espreguiça.
Manhã, domingo.”
Anna Carla
Mãe, advogada e blogueira. Amo gatos, plantas e vida simples. Escrevo por prazer.

Comente