cotidiano

A Lucidez Perigosa – Clarice lispector

“Estou sentindo uma clareza tão grande
que me anula como pessoa atual e comum:
é uma lucidez vazia, como explicar?
assim como um cálculo matemático perfeito
do qual, no entanto, não se precise.
Estou por assim dizer vendo claramente o vazio.
E nem entendo aquilo que entendo:
pois estou infinitamente maior que eu mesma, e não me alcanço.
Além do que: que faço dessa lucidez?
Sei também que esta minha lucidez
pode-se tornar o inferno humano
– já me aconteceu antes.
Pois sei que
– em termos de nossa diária
e permanente acomodação

resignada à irrealidade – essa clareza de realidade é um risco.
Apagai, pois, minha flama, Deus,
porque ela não me serve para viver os dias.
Ajudai-me a de novo consistir dos modos possíveis.
Eu consisto,
eu consisto,
amém. “

Anna Carla
Mãe, advogada e blogueira. Amo gatos, plantas e vida simples. Escrevo por prazer.

2 thoughts on “A Lucidez Perigosa – Clarice lispector

  1. Lindo isso. Tem a ver com Tabacaria e contrasta como esse renascer cobra-criada de q vc fala acima (que, em termos práticos, me parece melhor). Por isso, sempre q alguém fala com uma ponta de inveja da grandeza de Fernando Pessoa ou de Clarice Lispector ou qq outra, eu pergunto: “Vc suportaria ser FP ou CL? Vc pagaria esse preço para chegar a escrever o que escreveram?” Eu não.

  2. Antônio é incrível como você captou exatamente o meu momento quando postei o poema e post seguinte! Eles tem relação sim.
    Que bom que alguém do mundo exterior vê melhoria no meu ponto de vista da situação.
    Adoro FP e CL e concordo com você, eu não pagaria o preço deles.

Comente