cotidiano

Partida

“Ela chegou pequenina numa época em que havia um vazio enorme em nossas vidas…E foi impressionante a velocidade em que aquela pequena criatura de pele alva e olhos verdes preencheu todo aquele espaço! Em pouquíssimo tempo estávamos todos vivendo em torno dela, aquele pequeno sol radioso brilhando em nossa família.
Os anos se passaram e ela se desenvolveu cada dia mais linda e esperta, tirando boas notas, arrasando no teatrinho escolar, com talento pra desenho e pintura e um jeitinho aparentemente tímido mas não menos encantador.
De repente se fez moça, inicialmente meio desajeitada com a altura e o corpo feminino recém aflorado, mas cada dia mais e mais encantadora…E que cabeça boa ela tem, pra entender o mundo e as modernidades, pra se defender e pra saber lidar com as surpresas da vida!
Ela cresceu e eu a amo com a mesma força do meu coração do dia em que a conheci e do dia em que a batizei.
Meu coração, que esteve em festa por causa dela tantas e tantas vezes, hoje está partido.
Partido porque parte dele está se mudando, de casa, de cidade, de estado, de família.
Talvez neste Natal meu céu pareça um pouco menos azul, minha árvore pareça ter menos luzes e o Chocotonne menos sabor.
Neste fim de ano, ainda mais melancólico, parte do meu coração parte pra Brasília.”

Minha quase-filha saiba que meu coração jamais se cansará de te amar.

A madrinha estará sempre aqui, pode contar.
Saudades antecipadas.
Anna Carla
Mãe, advogada e blogueira. Amo gatos, plantas e vida simples. Escrevo por prazer.

1 thought on “Partida

  1. Nossa Anna, esta foi foda.
    A cada linha, fui mais longe, me transportando às minhas saudades.
    Lindo de ler.
    Mil beijos.

Comente